Minha esposa no ginásio

Uma das minhas maiores fantasias era a de ver minha esposa ser fodida por dois homens ao mesmo tempo. Insisti por diversas vezes com ela que aceita-se, mas foi casualmente que tudo aconteceu. Paula tinha-se inscrito num ginásio no centro da cidade, um local bem diferente das academias da moda. Era frequentado, quase totalmente por homens, pois tinha musculação. Ela já havia feito musculação e como eu lhe falei que deveria voltar a praticar inscreveu-se. A localização do ginásio era próxima de nossa casa.
Ambos temos o nosso carro, mas há uns tempos atrás o carro da Paula teve de ir para a revisão para reparar uma avaria e teve de ficar na oficina durante uma semana e então como ficamos apenas com um carro, revezávamos na utilização, ora ela levava-me e ia-me buscar ora eu levava-a e ia busca-la. Numa das noites em que fui busca-la ao ginásio eu cheguei um pouco mais cedo do que tínhamos combinado. Subi a fim de ver como ela se estava saindo e vi-a debruçada sobre um aparelho, exercitando-se. Ate aí, tudo normal, se não fosse a plateia que se tinha formado atrás dela. Praticamente todos os homens da sala de musculação olhavam fixamente para a minha esposa, que com o traseiro empinado para cima, oferecia um maravilhoso espectáculo. Ela usava umas calças pretas e justas abaixo do joelho, que lhe salientavam completamente o seu belo rabo, deixando boa parte dele em exposição. Ela sabia que estavam olhando para ela e exactamente por isso se exibia ainda mais. Aquele lugar era um paraíso para a minha esposa, uma sala de musculação, simples e rústica, com muitos homens fortes e suados, exibindo seus músculos... Paula estava no céu, gemia sensualmente devido ao esforço do exercício, levando todos a loucura. Fiquei observando aquela visão, de longe, extremamente excitado. A aula acabou e a minha esposa fez questão de me apresentar ao seu professor
- QUERIDO! ESTE É O CARLOS, O MEU INSTRUTOR. –
Apertei-lhe a mão, deveria ter aproximadamente 35 anos, 1,90m de altura e provavelmente uns 100 kg de músculos bem definidos.
– ENTÃO VOCÊ É QUE É O SORTUDO!!! VOCÊ TEM UMA MULHER MUITO BONITA E ELA VAI SAIR DAQUI MAIS BELA AINDA
Fiquei conversando com ele enquanto minha esposa foi tomar banho para irmos para casa. Ele falou-me sobre os exercícios que ela teria que fazer e mais um monte de coisas a respeito de ginástica, musculação, pesos. Eu nem prestava atenção ao que ele dizia, estava impressionado com o tamanho dele e ficava imaginando em como Paula tinha se sentido por estar perto de um homem assim. Fomos para casa e, apesar de eu forçar o assunto, ela não quis conversa sobre o seu instrutor. Chamou-me de tolo e pediu para não insistir pois estava lá apenas para tratar do físico. Os dias passaram-se e realmente o treino estava surtindo efeito. Todas as noites eu insinuava coisas sobre os fulanos do ginásio e ela, devagar no início, começou a corresponder e a contar-me coisas que aconteciam lá. Naquela noite ela contou-me que o instrutor a chamava para dar uma corrida no exterior ou para lhe massajar as costas e, sempre que podia, aproveitava para dar umas carícias com a mão ao deleve no traseiro dela. Perguntei se ela estava interessada nele, e como resposta ela disse-me
– SABES, NO COMEÇO EU NÃO ESTAVA, MAS AGORA, ELE É TÃO ATIRADIÇO, DIZ-ME CADA COISA
o que é que ele te diz, perguntei?
– VIVE DIZENDO QUE EU PRECISO DE SENTIR UM MACHO DE VERDADE, UM PAU GRANDE NO MEIO DAS MINHAS PERNAS, QUE TENHO CARA DE SAFADA, CARA DE QUEM GOSTA DE DAR A CONINHA E QUE DEVERIA TER OUTROS HOMENS, SABES QUE O PAU DELE É ENORME? ELE MOSTROU-ME O PAU DELE NO OUTRO DIA.
- Como é!!! Viste o pau dele???
- CALMA…. VI SIM, MAS FOI APENAS POR DENTRO DOS CALÇÕES DELE, MAS É ENORME, ESTAVA ENTESOADO
Transamos alucinadamente enquanto ela falava do Carlos e, finalmente, admitiu que até gostaria de ir para a cama com ele, mas com uma condição. Teria que ser eu a convida-lo pessoalmente, pois ela não tinha coragem de lhe dizer. Aquilo não estava nos meus planos, mas diante do tesão que senti por finalmente poder oferecer a minha deliciosa esposa a outro homem, concordei. Era uma noite de sexta-feira, eu tinha combinado que a iria buscar mais tarde, na hora do ginásio fechar. Subi e deparei-me com a Paula conversando com um outro fulano, um tal de Reinaldo, um negro assustadoramente grande. A minha esposa, ao ver-me, veio na minha direcção e disse-me
– MUDANÇA DE PLANOS, VAIS CONVIDAR OS DOIS
ainda pensei em argumentar, dizer que não, mas ela foi em direcção ao Carlos e chamou-o, dizendo que eu queria conversar com eles. Fiquei ante os dois e não tive outra alternativa a não ser convida-los a irem até nossa casa para beber umas cervejas. Fomos todos no meu carro. Os dois grandalhões atrás conversavam o tempo todo com a minha esposa. Chegamos em casa, minha esposa foi direito para a casa de banho e eu fiquei na sala, servido cerveja para os dois. Alguns minutos se passaram quando surge Paula, enrolada numa toalha e me chamou.
- PRECISO DE UMA AJUDA QUERIDO
Disse isso empunhando uma gilette de barbear. Ela queria que eu a depilasse. Fui atrás dela, certo de que eles já se tinham apercebido que muita malandrice iria acontecer. Depilei minha esposa completamente, não deixei um pelinho em volta da sua coninha e voltei para sala. Não demorou muito e Paula apareceu também, apenas vestida com um calçãozinho, e uma T-shirt, e disse-me
– COMO É QUERIDO? JÁ CONTASTE PARA ELES? JÁ LHES FIZESTE A PROPOSTA?
Os dois levantaram-se e partiram para cima dela, mas a minha esposa afastou-se e gritou
– VÁ QUERIDO, FALA BEM ALTO O QUE QUERES AMOR, PEDE PARA ELES O QUE QUERES QUE ELES FAÇAM
Tudo que pude dizer foi
– POR FAVOR, FODAM A MINHA ESPOSA.
Carlos pegou-a no colo e levou-a para o quarto. Reinaldo veio na minha direcção, com uma cara arrogante e disse-me
– SE QUISERES OLHAR PODES OLHAR, TUDO BEM, MAS NEM TENTES CHEGAR PERTO OU FALAR SEJA QUE FOR, JÁ FAZ MUITO TEMPO QUE NÓS OS DOIS QUEREMOS FODER A TUA MULHER, ARREGAÇAR-LHE AQUELE CUZINHO
Cheguei ao quarto e vi minha esposa chupando o pau do Carlos, era muito maior do que eu tinha imaginado. Reinaldo chegou-se para junto deles e exibiu um cacete ainda maior e mais grosso do que o do amigo. Era demais ver minha esposa chupando aqueles dois caralhos enormes. Sentei-me na cadeira e fiquei observando aquela cena. Paula estava de quatro sobre a cama e mamava nos dois caralhos. Carlos segurava minha esposa pelos cabelos e fazia-a alternar entre um pau e outro. Reinaldo passava a sua mãozorra no rabo dela, olhando para mim. Minha esposa é branquinha, tem um corpo magro, seios pequenos, cabelos castanho claro abaixo dos ombros, a cara linda parece de uma menina indefesa, os olhos castanhos, cintura fina realça o quadril escultural e o traseiro maravilhoso. Ela estava linda, sorria satisfeita por ter dois machos à sua disposição, chupava delicadamente cada um, empinava o traseiro para as passadas de mão do negro, sorria para o Carlos com o pau dele na boca. Mas, pouco a pouco, a coisa foi aquecendo. Eles não estavam a fim de gentilezas e Paula estava ainda de quatro, Carlos fodia-lhe a boquinha , enfiando seu caralho e segurando-a pelos cabelos. Paula engasgava e lutava em vão para tirar aquilo da boca. Reinaldo já estava posicionado atrás dela e lambuzava sua piça no líquido abundante que escorria da coninha de minha esposa. Ela estava excitadíssima, apesar dos maus tratos.
– FICA QUIETA VAQUINHA…DEIXA-ME METER
Segurando minha mulher pelos quadris, Reinaldo posicionou seu caralho e meteu sem dó na cona dela. O grito de Paula foi abafado pelo cacete do outro, que aproveitando-se da situação, a humilhava dizendo:
- CHUPA, PUTA CHUPA-ME O PAU! TU GOSTAS DE GRANDES PIÇAS, CHUPA ENQUANTO O REINALDO TE COME
Reinaldo socava impiedosamente sua vara dentro da cona dela. Paula rebolava como uma doida, sempre com o caralho do Carlos em sua boca. Sem tirar de dentro, Reinaldo levantou-a e colocou minha mulher sobre seu corpo. Paula ficou sobre ele, de frente para o Carlos, pulando sobre a vara negra enquanto tinha os seios esmagados pelas mãos dele. Carlos cuspia em seu cacete e mandava minha esposa lamber...chupar...Os gemidos de Paula revelavam o quanto ela estava gostando e gozando...Minha esposa foi arrancada de cima do negro e colocada sobre a cama, com as pernas abertas e a cona escancarada. Carlos subiu em cima dela e enfiou-lhe a piça. Paula gritou ante a violência da estocada. Reinaldo, ainda com o pau duro como aço, posicionou-se de maneira a oferecer sua vara, toda melada, para a boquinha dela. Carlos metia com fúria, parecia querer partir minha esposa ao meio. O Negro incentivava ele a meter mais forte ainda, também batia sua pica na cara dela e mandava ela chupar seu pau. Com grunhidos que mais pareciam ser os de um animal selvagem, Carlos anunciou que ia gozar. Com estocadas violentas ele cravou sua pica no fundo da greta de minha esposa e esporrou. Reinaldo ria-se
– ISSO, GOZA DENTRO DELA, DÁ-LHE LEITE, ELA ESTÁ A GOSTARR, METE-LHE BEM FUNDO NA CONA, OLHA SÓ PARA A CARA DELA, CARA DE PUTA, VAI CARLOS DÁ-LHE COM FORÇA, DÁ-LHE, FODE-A
Vi a expressão de delírio de minha esposa ao sentir a esporra dele dentro de si. Carlos gozou, tirou seu pau todo melado da coninha dela, mandou minha esposa ficar novamente de quatro e, enquanto eu caminhava até eles, oferecia seu pau para ela lamber
– CHUPA PAULA, LIMPA-ME O CARALHO MAMA AÍ
Reinaldo, enfurecido, pegou-a por trás e, sem a menor preparação, começou a forçar a entrada no cuzinho dela. Neste instante minha esposa ficou desesperada
– CALMA! EU DOU-TE O CUZINHO, MAS POR FAVOR, VAI COM CAAAAALMAAA
O negro cravou sua pica, inteira, de uma vez só no cu da minha esposa. Paula gritou alto, desesperada e em prantos dizia que estava doendo, implorava para ele tirar. Ele foi tirando lentamente e quando estava quase tudo fora, meteu de novo
– CALA A BOCA PUTINHA, NÃO É DE PAU GRANDE QUE GOSTAS? NÃO ERA ISSO QUE QUERIAS? AGORA AGUENTA COM TUDO, PODES GRITAR À VONTADE, GOSTO DE TE OUVIR GEMER MULINHA
Ele parecia sentir mais prazer em ver minha esposa se debatendo, gritando e chorando, metia impiedosamente seu caralho descomunal no rabinho dela. Carlos, que tinha acabado de gozar, continuava de pau duro e oferecia para Paula chupar. Mas ela estava alucinada, não conseguia se controlar, gritava assustadoramente, mas, já não eram mais gritos de horror e sim de prazer. Minha esposa sempre gostou de sexo anal, mas o pau que comia o seu traseiro agora era exageradamente grande e grosso, parecia que ia dividi-la ao meio, via perfeitamente aquilo tudo entrando e saindo do cuzinho dela, um buraco enorme tinha se formado, o rabinho dela completamente dilatado, e ele socava... socava... socava... não parava nunca de meter, sempre cada vez mais forte. Tirava tudo e enterrava ate aos testículos, sem piedade, implacável. Reinaldo gozou no rabo dela, fazendo minha esposa gozar como nunca tinha visto antes. Assim que sacou seu caralho do rabinho de minha esposa, Carlos ocupou o seu lugar. Seu pau era menor do que o do Reinaldo, mas era capaz de fazer tanto estrago quanto o dele
– É DISSO QUE TU GOSTAS PUTINHA? ENTÃO TOMAAAA, TOMAAAA, AGUENTA AÍ
Ele fodeu com tanta fúria quanto seu amigo a havia fodido. Paula já estava rouca de tanto gritar e já não dizia coisa com coisa. Carlos pegou-a no colo e levou-a para o canto do quarto, prensando-a contra a parede começou a investir forte no cuzinho dela. Paula subia literalmente pelas paredes, pois a violência das estocadas era tanta que fazia com que seus pés deixassem de tocar o soalho. E estava eu, vendo minha esposa delirar com um caralho enorme enterrado no seu rabinho, minha esposa no ar, espetada por uma pica gigantesca. Gozei, gozei vendo a minha mulher dando para outro macho. Reinaldo foi para perto deles e puxou minha esposa para si. O pau dele parecia estar maior do que antes, ele pegou minha mulher, levantou-a e colocou-a sobre sua piça. Vi aquele pau negro ir desaparecendo dentro dela. Ainda em pé ele convidou o amigo
– AGORA METE NO CU DELA, VAMOS ARREGANHAR ESTA PUTINHA
Carlos veio por trás e meteu no cuzinho da Paula. Quando só restava apenas as bolas dos dois de fora, um na cona e outro no cu, eles soltaram-na, Paula estava entre eles, suspensa por dois cacetes enormes, ela gozava, gozava, gozava. Os dois mexiam o corpo, fazendo com que o peso dela fincasse ainda mais suas vergas dentro dela. Foi nessa posição que os três gozaram, fazendo um escândalo. Foram todos para o banheiro. Fui atrás deles e vi minha esposa ensaboando os dois, acariciando aqueles corpos musculosos. Foi um banho demorado pois os dois queriam mais. Vi minha esposa chupar a piça deles para as deixar dura novamente, para depois lhes oferecer novamente o seu corpo. Os dois foderam-na no banho...no chão da casa de banho...na sala...na cozinha...Passaram a noite toda com minha esposa e só a largaram quando ela já estava desfalecida na cama. Levei os dois para casa, deixei primeiro o Carlos, que morava mais perto, para depois deixar o Reinaldo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário