quarta-feira, 13 de março de 2013

Esposa Humilhada Pelas Taras do Marido!

Tudo se passou em dois anos, antes de eu me separar de meu marido, pois já não agüentava suas taras, ser seu brinquedo sexual.Meu nome é Cristiana, o de meu ex-marido é Luciano, ele é engenheiro renomado. Eu tenho cabelos e olhos castanhos, pele muito branquinha, corpo mignon, bundinha redonda, pernas longas, seios de médios para grandes, nariz empinado, lábios finos, um rosto de traços finos, meu rosto é muito bonito, o que me fez ser muitas vezes convidada a ser modelo, mas meu pai, nem meu marido, nunca aceitaram essa idéia. Eu e Luciano fomos casados durante seis anos, noivamos dois e namoramos três, desde os quinze anos estávamos juntos, sempre companheiros, carinhosos, atenciosos um com o outro, desde a adolescência
nos crescemos descobrindo juntos tudo sobre amor, paixão, sexo, a vida em geral, eu o amava mais que tudo no mundo e ele a mim, todos nossos amigos nos invejavam por sermos tão felizes, depois de casados já há quatro anos, suas taras começaram a surgir, tudo por culpa da internet, ele entrou numa faze de ficar os fins de semana rodando sites pornográficos, muitas fezes eu me sentava ao seu lado e também via com ele, eram interessantes, mas nunca fez muito minha cabeça, mas ele se entregou totalmente a essas perversões. No começo eram apenas sites de sexo no estilo das fitas pornôs que assistíamos, mas depois ele passou a ver coisas do tipo “Banho-Marrom”, “Chuva-Dourada”, sexo violento, coisas absurdas, enemas, bestialismo, mulheres transando com anões, caras deformados, etc. O pior é que ele estava levando muita coisa para nossa vida sexual. Nunca tive muita frescura na cama com ele, sempre fizemos de tudo, fazíamos anal, com moderação, eu até gostava e sentia prazer, mas dava um tempo de uma transa anal para outra, pois na hora era gostoso, mas depois eu ficava bem dolorida, pois o pau dele é de vinte centímetros, o bastante para esfolar um cuzinho. O certo é que aos poucos ele foi propondo coisas na hora de transarmos, me pedia para meter frutas e legumes em mim, me banhar em leite condensado, comprava assessórios em sex-shops, roupas de couro, vibradores de todos os tipos, até ai nossa vida sexual estava até muito boa, mas foi que de repente ele começou a me pedir coisas como beber seu esperma num copo, sempre engoli seu esperma, mas sempre direto da fonte, nunca havia parado para olhar para seu esperma e depois beber, fiz o que ele me pediu, foi estranho, mas depois isso se repetiu muitas vezes até eu me acostumar. Depois de um tempo passado ele me pediu para que ele urina-se em mim, isso eu não aceitei, já era demais, ele ficou chateado, eu também, mas eu não sabia ficar com raiva dele, por isso ele ficou dali pra frente sempre insistindo e eu negando. Num belo dia ele chegou em casa transamos gostoso, fizemos varias loucuras, e por final dormi, na manhã seguinte eu acordo com ele me oferecendo um copo de esperma, cheio, até a quase a ponta, ele disse que queria me ver beber, perguntei onde ele tinha arrumado aquilo tudo, ele respondeu que havia passado a noite se masturbando no computador e guardou seu esperma no copo para me dar, fiquei preocupada com ele, pois ele estava com a aparência de doente, olheiras fundas de garoto que passou horas se masturbando, bebi e fudemos gostoso, mas pedi que ele não fizesse mais a loucura de se masturbar tanto, pois ele não era mais um moleque adolescente. Depois alguns dias se passarem e nada de diferente acontecia, isso se pudermos chamar de nada de diferente as putarias a que eu me submetia, todos os objetos possíveis de nossa casa já tinham passado por dentro de mim, nem atriz pornô fazia tudo aquilo em seus filmes. Mas um dia enquanto eu bebia um copo de esperma, ele disse que queria me ver tomando um copo cheio, não aquele pouquinho, eu respondi que não queria velo se matando na punheta para encher um copo, ele disse que não faria aquilo, mas que tinha achado a solução, perguntei qual e ele respondeu que pegaria o esperma de outras pessoas e traria pra mim, fiquei puta de raiva, brigamos, mas logo fizemos as pazes e nos dias seguintes ele continuou insistindo naquela idéia, eu negava sempre até que um dia quando eu chego em casa, ele me liga dizendo que tinha uma surpresa, fiquei ansiosa, quando ele chegou eu fui curiosa recebê-lo, ele me mandou tirar a roupa bem devagar e sensual, tirei tudo, depois ele me pediu para fazer um boquete nele, ele sentou no sofá tirei suas calças, e chupei tudo, no final, ele levantou pegou uma garrafa de um litro de plástico e gozou dentro, pra meu espanto ela estava cheia até a boca, perguntei o que era aquilo, ele respondeu que tinha feito o que disse, pegou esperma dos peões que trabalhavam em suas obras, alegando ser um exame da empresa e trouxe para que eu bebesse tudo, fiquei com raiva e neguei, ele me pediu insistentemente ate que eu aceitei, peguei a garrafa e fui bebendo, era muito esperma, ali dentro tinha um litro de esperma de todo tipo de gente, alias de vários peões, era nojento. Quando terminei eu quase vomitei tudo, mas Luciano me beijou e logo transamos a noite toda. Daí par frente todo mês ele trazia uma garrafa para mim, eu acostumada bebia tudo.Depois de um tempo aconteceu outro fato que alteraria muito nosso relacionamento. Nos tínhamos uns vizinhos, que moravam nos fundos de nossa casa, que eram adolescentes, um de 15, outro de 13 e outro de 12, moravam com a mãe, eu e meu marido nunca fomos de sermos sociáveis com a vizinhança, nunca passávamos de um “oi”. Mas um dia eu tive uma surpresa com estes vizinhos ao tomar sol na piscina de casa, eu sempre tomo sol com top-less e um fio-dental, eu estava tomando sol quando olhei para o céu e passei olhar pelo muro dos fundos e pude ver que alguém me olhava de lá, eu estava de óculos escuros e a pessoa não notou que eu a vi, olhei bem e vi que era um dos meninos dos fundos, o menino estava se masturbando, eu fiquei perplexa, não sai do meu lugar, pois achava que ele se masturbar era natural, eu nem liguei mais pra ele, mas de vez em quando eu olhava e o via lá, depois de tomado meu sol eu fui pra dentro e mais tarde a noite contei para Luciano para que ele toma-se uma providência, eu esperava que ele fosse la conversar com a mãe dos meninos, mas ele disse que tinha tido uma idéia, perguntou se eu toparia fazer um show para os moleques, se eu aceitava fuder com ele na piscina enquanto eles olhavam, achei loucura, mas durante a noite ele me convenceu, no dia seguinte eu ele fomos para piscina, eu vestia só o fio-dental, logo dois deles apareceram, fiz sinal a Luciano, ele levantou, baixou sua sunga e veio até mim, eu estava deitada de bruços, mas ele me pôs de quatro e meteu o pau na minha boca com violência, ele gozou todo meu rosto, depois me puxou pelo cabelo, me deitou no chão e me meteu forte na boceta, a violência com que ele me fudeu foi tanta, que eu fiquei toda ardida, depois de muito meter ele me pôs de quatro e me enrabou de um vez, eu gritei de dor, pois já é difícil agüentar ele metendo no meu cu com carinho, naquela violência e sem lubrificante foi um dor indescritível, eu gritava de dor enquanto ele metia mais e mais forte, dava tapas violentos em minha bunda e nas minhas pernas, puxava meus cabelos, me enforcava, botava os dedos na minha boca e puxava quase rasgando meu rosto e mi xingava de todos os palavrões que ele conhecia, quando eu já não agüentava mais seu pau no meu cuzinho e o esperma dele já estava seco e grudado no meu rosto, ele parou, tirou seu pau e me puxando pelos cabelos me levou até ele, seu pau estava coberto de fezes, ele me mandava chupar e limpar seu pau, mas eu relutava, com muito força ele enfiou na minha boca, era nojento o gosto de merda, fui obrigada a engolir tudo, ele inadvertidamente ainda gozou aos gritos no fundo de minha garganta, ele chegou a tirar o pau de minha boca e lambuzou meu rosto mais uma vez, ele então se ajoelhou a minha frente e me deu um beijo demorado, depois passou a lamber meu rosto cheio de esperma, nos beijamos e nos lambíamos enquanto ele voltou a meter em minha boceta, doeu, pois eu estava bem ardida, mas desta vez gozamos gostoso e juntos. Depois ele me disse que foi uma foda maravilhosa, eu embora toda machucada não quis dizer o contrario e confirmei, ele disse que os moleques ainda estavam lá nos olhando, disse que eles agora nunca mais me esqueceriam, que eu era a mulher da vida deles, eu não havia gostado do que acabará de acorrer, eu estava todo machucada, me sentido um nojo, meu rosto todo grudado e fedendo a esperma seco, o gosto de merda que ele me obrigará a comer ainda estava forte na minha boca, mas se ele havia gostado era o que me bastava, entramos em casa e os moleques continuavam pendurados no muro, passamos a noite em nossas perversões sexuais, mas sem a violência que ocorrerá antes, só que eu mal agüentei enfiar tanta coisa em mim nesta noite, pois eu estava com a boceta e o cuzinho doloridos. As perversões dele se manterão por um tempo as mesmas, uma vez por mês ele me trazia uma garrafa cheia de esperma de seus peões e todo fim de semana nos fazíamos um show de sexo para os vizinhos, uma dia depois de termos dado nosso show para os moleques, ele me disse que já não sentia mais prazer em trepar com aqueles moleques olhando, fiquei aliviada, pois eu não gostava de fazer aquilo com eles olhando, pensava no que podiam dizer para toda vizinhança, o que com certeza já deviam ter feito, eu já devia estar mal falada entre os vizinhos, mas quando eu já estava abrindo o sorriso ele disse que agora queria que não moleques nos assistissem transando, mas que homens de verdade nos vissem, eu perguntei se ele estava louco e brigamos, mas como sempre logo fizemos as pazes e ele passou um bom tempo tentando me convencer, até que um dia eu liguei para ele para saber onde ele estava, para poder pegar um cheque com ele, pois precisa fazer uns pagamentos, ele pediu que eu fosse ate onde ele estava, ele estava num de seus prédios em obra, cheguei lá, eu estava vestida de solto alto, saia, um blazer que uso para trabalhar. Ele estava no décimo quinto andar, os peões estavam todos por lá, olhei para cara de todos, eram sujos feios, bruscos, nojentos. Imaginei que era do esperma deles que eu bebia sempre, gente feia, fedendo, que não tinham a menor higiene, quanto mais higiene sexual, e era daqueles paus todos, que eu provava o gosto sempre, subi por um elevador de obra ate o andar de Luciano, lá ele estava só me esperando, ao chegar ele foi me beijando e agarrando, tirou meu blazer, subiu minha saia, rasgou minha calcinha e me chupou ali mesmo em pé, ele sempre soube me chupar gostoso, eu logo gozei com ele entre as pernas e o vento forte batendo no meu rosto, eu estava realmente nas alturas, mas o sofrimento e a vergonha estavam por vir, de repente tirou minha blusa e rasgou meu sutien , pegou-me e me pôs de quatro olhando na beirada do prédio, eu olhava para os pedreiros lá em baixo, os via olhando para mim, as pessoas que passavam na rua paravam para olhar para mim, eu fui enrabada ali mesmo, meu marido não se preocupava comigo naquela situação, ele metia com tanta força que eu achava que a cada estocada eu cairia lá de cima, e eu gritava escandalosamente com aquele membro estocado em mim, quando ele gozou ele me puxou de volta para dentro do prédio e foi todo carinhoso comigo, me beijava e me agradecia por realizar sua fantasia, eu estava me sentindo envergonhada e fui logo pegando o cheque e indo embora, mas tive de enfrentar os peões que ficaram o tempo todo me assistindo ser enrabada, eu sai de la ouvindo todo tipo de gracinhas e nomes, ate uma passada de mão na bunda eu levei, só notei o que ele disse, que ele tinha um leitinho gostoso para que eu bebesse, mal sabiam eles que eu já tinha bebido o de todos eles, fui chorando para casa, discuti com Luciano logo mais durante a noite, ele me disse que havia demitido o peão que tinha passado a mão em minha bunda e que tinha me mandado beber seu esperma, Luciano sorriu com a ironia de eu já beber o esperma daquele peão , não gostei de ele sorrir daquilo, já que eu não gostava disso, só fazia por ele me pedir, brigamos mais um pouco, mas logo fizemos as pazes novamente. Depois de algum tempo nos voltamos a fazer sexo como antes, uma vez por mês bebia o esperma de seus peões e dávamos nossos shows nos fins de semana para os vizinhos, fora as frutas, verduras, objetos, vibradores, etc, que era obrigada a introduzir durante a semana, e banhos que eu já tinha tomado e continuava tomando, já tinha me lambuzado e banhado com todo tipo de coisa, mel, leite condensado, lama, todo que é coisa viscosa e melequenta. Eu não gostava do que fazia, mas Luciano me fazia ter prazer e gozar sempre, eu alem de gozar tinha prazer em vê-lo realizado sexualmente, mas as coisas mudaram novamente quando numa noite em que fazíamos as coisas normais, eu estava deitada na cama, com o bumbum para cima, esperando ele enfiar um pepino no meu cu, quando ele pegou uma banana e enfiou junto foi dolorido, mas agüentei, pois meu cuzinho estava bem lubrificado e meio acostumado, depois ele tirou o pepino e a banana, descascou a banana e enfiou no meu cuzinho, aquilo era fácil agüentar, mas ele enfiou uma, duas, três, quatro, cinco, foram onze bananas descascadas, eu estava completamente entupida, ele amassou as bananas até entrarem todas, ele então me disse que queria come-las, disse que era impossível ele meter o pau ali, ele então disse que não queria fuder-me, mas sim comer as bananas que estavam no meu intestino, fiquei enojada, levantei reclamando e pondo fim na putaria dele, foi um ledo engano, pois ele me pegou e me jogou de quatro imprensada contra a cama, minha bunda empinada ficou a mercê dele, que caiu de boca no meu cuzinho, eu naquela posição não agüentei segurar todas aquelas bananas que tinha em mim, eles logo foram saindo e ele extasiado comia tudo, ele gritava que eu devia cagar tudo nele, que ele comeria toda minha merda, quando já não tinha mais nada dentro de mim ele disse que era minha vez de comer a merda dele, eu disse que nunca faria aquilo, descutimos varias horas, ele insistiu muito naquilo, nunca o vi insistir tanto, ate que aceitei beber seu mijo, isso foi uma de suas primeiras taras, ele insistia naquilo desde o inicio, nunca havia aceitado, mas vendo a possibilidade de vir a aceitar comer sua merda, preferi beber sua urina, ele logo topou a minha oferta, deixou de lado a idéia de que eu come-se suas fezes, ao menos por hora. Fiquei de joelhos com a boca aberta esperando ele mijar, demorou um pouco ate que ele começa-se a urinar, foi um jato direto na minha boca, virei o rosto e fechei a boca, mas ele me perseguia com seu pau mijando no meu rosto, ele mi mijou toda, logo depois me puxou e beijou, eu estava ceguinha, pois ele tinha mijado nos meus olhos, ele me jogou na cama e me fudeu gostoso, com um misto de violência ele me fez gozar varias vezes, quando ele encheu a minha boceta de esperma eu gozei mais uma das muitas naquela noite, ao terminar tudo, eu estava um nojo, com a bunda melada de banana e merda, pois junto das bananas eu realmente caguei, estava com o rosto e o corpo urinado e fedendo, tomei um banho mais ensaboado da minha vida, queria tirar toda aquela podridão que tinha em mim, logo depois ele tomou o dele e não comentamos sobre o ocorrido, até o dia seguinte, onde ele me agradeceu por realizar sua fantasia, eu mesmo sem me agradar com aquilo fingi ter gostado para não deixa-lo chateado. Depois desse dia “Banho-Marro” e “Chuva-Dourada” foram constantes em nossas fodas, eu já estava perdendo a noção das loucuras que fazia com ele, eu bebia esperma de gente que não conhecia, e pior de gente sem a menor higiene, fodia para uns pivetes se masturbarem para mim, bebia mijo, só não tinha aceitado comer merda. Mas um dia, quando ele estava no computador, ele me chamou para ver as fotos que ele tinha pego na internet, eram fotos de lésbicas, eu vi muitas, mulheres bonitas, fazendo coisas que eu já fazia normalmente, ele então perguntou se eu tinha coragem de fazer aquilo, passamos mais uma semana discutindo, ate que aceitei a idéia de me tornar gay, ele preparou tudo, comprou roupas novas para mim, claro que roupas de sex-shop, vibradores novos. Tudo estava pronto para recebermos a prostituta que ele havia contratado para transar comigo, quando ela chegou, eu pensei que seria uma mulher bonita, mas entrou uma velha feia, eu não entendi nada, eu estava no quarto esperando os dois, a velha entrou já sem roupa, ela tinha um corpo horrível, ela já foi me pegando com suas mão nojentas, me deu um beijo, que não correspondi, ela então me deu um tapa, reclamei com Luciano e ele disse que eu tinha aceitado fazer aquilo, que agora ele não me deixaria voltar atrás, fiquei perplexa com sua atitude, a velha me pegou e me jogou na cama, ela se meteu entre as minhas pernas e me chupou me fazendo logo gozar, ela sabia como chupar uma boceta maravilhosamente, seus dedos e língua passeavam entre minha boceta e cu, eu gozei litros com ela, logo ela subiu em mim, meu deu um beijo que correspondi desta vez, mas ela continuava enchendo minha boceta com seus dedos, gozei muito ate ela me mandar chupar a sua boceta, sem muito jeito eu chupei a minha primeira boceta, logo ela reclamou e pegou-me pelo cabelo me esfregando contra sua boceta, ela ficou com raiva e me empurrou longe, cai do outro lado da cama, que é enorme, ela então pegou um vibrador enorme (50x15) em sua bolsa e pulou em mim, eu tentei fugir, mas ela me pegou com força me deitou com a bunda para cima e enfiou tudo aquilo na minha boceta, aquilo me rasgou inteira eu gritava de dor mas ela metia sem piedade em mim, depois de muita me machucar ela puxou o vibrador de minha boceta e atolou com toda a força no meu cu, parecia que me partia no meio, ela enfiou tudo em mim, senti suas mãos tocarem minha bunda, estava inadvertidamente tudo dentro de mim, aquilo verdadeiramente me machucou, eu chorava de dor, ela passou horas enfiando aquilo com muita força e violência em mim, Luciano se mantinha só assistindo. Quando eu já tinha perdido as forças para reagir a muito tempo, ela parou e tirou aquilo de mim, estava coberto de merda, eu não sentia as minhas pernas quanto mais os músculos do meu cu, não vi por onde saiu tanta merda de mim, mas eu sujei toda a cama e minha bunda inteira, levantei cambaleando e fui ate o banheiro, liguei o chuveiro, entrei no banho m,as a velha veio como louca para cima de mim, ele parecia alucinada, ela me dava tapas e me levou de volta para cama, me deitou na cama e mandou Luciano me segurar, ele sentou sobre mim e segurou meus braços, a velha veio com a bunda sobre meu rosto e o que pensei nunca fazer aconteceu, ela começou peidando no meu rosto, depois veio os pedaços de merda, caíram vários daquela bunda asquerosa, eu fiquei coberta de merda, a velha então pegou alguns pedaços e esfregou na minha cara, enfiou na minha boca, foi horrível, enquanto isso Luciano, deitou entre minhas pernas e meteu seu pau gostoso em mim, depois, de muito gozar com ele em mim e comer muita merda, tudo acabou, a velha foi paga e foi embora, eu tomei um banho e escovei muito meus dentes, eu fingi para Luciano que havia gostado daquilo, realmente eu gozei, mas não gostei daquilo. Depois muito tempo se passou, continuávamos fazendo todas as loucuras para saciar as vontades de Luciano, beber esperma dos seus empregados, fuder para os vizinhos assistirem, beber urina, comer merda, fuder com prostitutas, estas por exigência minha passaram a ser bonitas, mas ele então um dia me chamou ao computador de novo e me perguntou se queria fuder com dois paus ao mesmo tempo, mais uma vez discutimos muito ate que eu cedi a sua vontade, na noite marcada eu esperava um garoto de programa bonito como eu havia exigido, mas Luciano chegou em casa com o Peão que havia me passado a mão na bunda quando estive na sua obra, fiquei sem jeito mas o negão já veio me apalpando e beijando, Luciano veio por trás me beijando a bunda, depois de muito nos beijarmos o negão tirou seu pau para fora e me mandou chupar, era um pau enorme, eu cai de boca naquela ferramenta escura, fiz um boquete tão gostoso que o negão gozou na minha boca, eu engoli tudo, depois foi a vez dele me retribuir a chupada, Luciano pôs seu pau na minha boca, eu chupei o pau de meu marido enquanto o negão me fazia gozar em sua boca,quando ele já estava de pau duro novamente ele meteu em minha boceta, ele me fodia com força, me fez gozar aos gritos abafados pelo pau de Luciano que acabou gozando nela, Luciano ficou do nosso lado assistindo o papai-e-mamãe que eu e o Peão fazíamos, foram horas na mesma posição, ele me arrombava muito gostoso, gozamos juntos, eu adorei aquele corpo forte e pesado encima de mim, seu pau enorme pulsando e enchendo minha boceta com seu esperma, ele saiu e Luciano me pôs de quatro e enrabou, eu não tive nem tempo de descansar de meu gozo maravilhoso, Luciano se fez em meu cu e depois deu lugar ao peão que me fudeu forte e gostoso de novo, gozamos os dois juntos de novo, Luciano, por sai vez, estava um horror aquela noite, não havia me feito gozar uma vez sequer, Depois de refeitos, Luciano me montou sobre o Peão e veio por trás me enrabando, foi minha primeira dupla penetração, foi muito gostoso, gozei muito com eles, mas quando inverteram foi bem melhor, pois adorei sentir aquele pau enorme me rasgar, os dois roçarem por uma pequena camada de carne, que separava os dois, aquele corpo negro e forte nas minhas costas, gozamos varias vezes, o pau deles não amolecia, pareciam competir para ver quem saia por ultimo de dentro de mim, pois eles foram ate a ultima gota de suor, ate que não agüentávamos mais nenhum de nos, caímos um por cima do outro, o pau do peão saiu primeiro de dentro de mim, Luciano tirando forças não sei de onde voltou a me fuder e me fez gozar de novo, o peão caiu de lado e dormiu, eu desmaiei de cansaço sobre Luciano, no dia seguinte acordei satisfeita, mas logo acordei para tomar meu banho de sol e Luciano me pegou para fazermos o show semanal para os moleques dos vizinhos. A próxima tara dele veio logo depois, essa eu já esperava que acontecesse há algum tempo, ele queria brincar de fazer enemas em mim, eu não relutei e me preparei para fazermos isso no dia seguinte, ele comprou os assessórios necessários e chegando a noite estava tudo pronto, eu fiquei deitada na cama enquanto ele trouxe a bolsa cheia de água, ele pegou a mangueira e pôs no meu cuzinho, senti a água descer e inundar meu intestino, enquanto meu rabo enchia de água ele me cobria de óleo, meu corpo ficou todo lambuzado de óleo de cozinha. Depois de um tempo meu intestino começou a doer, ele disse que era normal, que um enema dava câimbras, eu me sentia inchada, parecia que ia explodir, quando já tinha acabado a água da bolsa ele me pôs de quatro, eu não consegui segurar e saiu um jato enorme de meu cuzinho, foi muita coisa saindo pela minha bunda, o quarto ficou inundado de água suja e fezes, na mesma hora Luciano me pegou e meteu forte me enrabando, gozamos juntos e forte, a noite terminou com os dois sorrindo aliviados de tanto prazer. Os dias se passaram rápidos depois, nossas fodas continuaram as mesmas, continuava fazendo “Banho-Marrom”, “Chuva-dourada”, enemas, bebendo o esperma dos peões dele, fudendo pros moleques, levando todo tipo de objeto na bunda e uma vez na semana fodia com Luciano e seu peão Cláudio, e uma vez na semana com uma prostitua, então que tudo realmente chegava ao fim, foi quando Luciano me confidenciou que queria me ver fudendo com um anão, perguntei se ele era maluco, brigamos muito e ele disse mais, que queria me ver fuder com alguém com defeito físico, era loucura, ele então me levou até o computador me mostrou varias fotos do tipo, eram coisas bizarras, me fez ler contos loucos, discutimos muito, disse a ele que eu já fazia varias loucuras por ele, que o que eu fazia já era o bastante. Ele tinha tantas taras que queria que eu realizasse-se, que eu não assimilei todas, mas depois de muitos dias de conversa e discussões, disse a ele que faria apenas cinco de suas varias taras, discutimos e acordamos sete, estávamos com tudo acertado, ele escolheu me ver fazendo programa como uma puta de esquina qualquer, me ver transar com um mendigo, um anão, um deformado e com um cachorro, por fim com os pivetes dos vizinhos, fiquei pasma com a ultima, pois esse tempo todo ele ficou na vontade de velos comigo, por fim a ultima seria filmarmos e fotografarmos tudo, não gostei da idéia, mas ele me convenceu que já que tudo ocorreria apenas uma vez ele queria registrar tudo para ele poder lembrar sempre, pedi uma semana para me preparar para fazer suas vontades, ele então depois de dois dias chegou em casa com duas passagens de ônibus para nos viajarmos para o litoral, íamos ficar alguns dias la num hotel luxuosíssimo, na suíte principal do hotel, ele havia comprado roupas novas para mim, biquínis mínimos, menores do que eu costumava usar e já tinha conhecido, lingeries altamente depravadas e roupas piores ainda para eu poder passear pela cidade, eram shorts que mau entravam em mim, camisas que deixam meus peitos, ou minha barriga, ou minhas costas, ou duas ou os três dessas partes de meu corpo de fora, fora que a bunda ficaria sempre exposta, pois no meu vestuário só tinha shortinhos e mini-saias curtíssimas, no mínimo eu vestiria um vestido com costas nua, um decote enorme que vinha ate a barriga, só cobrindo os seios, e nas pernas ele só chegava e mal a cobrir minha boceta, uma baixadinha e meus fundos eram de todos, uma sentada e la estava minha calcinha para que todos pudessem ver. No dia da viagem ele me fez vestir um short branco transparente, que deixava as bochechas de minha bunda de fora, ele queria que eu viajasse com aquilo, a viajem seria de uma noite inteira, na rodoviária só não ouvi tantas gracinhas pelo fato de estar acompanhada dele, no ônibus eu me tremia de frio. A viajem ia muito bem até pararmos na estrada, o motorista avisou que era uma parada para que pudéssemos jantar, Luciano disse que estava com sede e fome e eu estava com vontade de ir ao banheiro, disse a ele que deveríamos então descer, ele disse que não queria descer, mas disse que eu deveria descer para comprar comida e bebida para ele, eu respondi que queria ir ao banheiro também e que ele deveria ir me acompanhando, ele respondeu que não e que eu tinha de descer logo para fazer o que ele pediu, fiquei puta e fui comprar as coisas dele no barzinho, eu vestia um a jaqueta, mas o shortinho continuava mostrando minha bunda, os homens locais ficaram loucos ao me verem e falaram muita besteira, fiz ouvido de surdo, comprei umas coisas e levei para o ônibus, resolvi usar o banheiro do ônibus mesmo, mas ele estava sendo limpo pelo pessoal da empresa, tinha de usar o do barzinho mesmo, pedi que Luciano me acompanhasse, mas ele fingiu não ter me ouvido, eu levantei com raiva e fui até o banheiro, ele ficava um pouco destacado do bar, tive de passar pelos cabocões locais antes de chegar ao banheiro, ouvi mais gracinhas deles, a iluminação na frente do banheiro era muito ruim, entrei para urinar e vi o banheiro mais sujo de toda minha vida, urinei em pé para não triscar na privada que era imunda, não tinha papel para usar, tive de limpar-me com água da torneira, quando já estava recomposta e tentando olhar-me em um pedaço de espelho quebrado, entra um cara no banheiro dizendo que eu era uma puta muito gostosa e que ele tinha o brinquedo certo pra acabar com meu fogo no rabo, o cara era um gordo bem nojento, careca e bigodudo, eu tentei correr do banheiro mas ele me agarrou por trás e me imprensou contra a parede, ele dizia que eu deveria ficar quieta, pois senão iria doer, eu gritava por socorro, com uma mão ele me abraçava pela cintura e me prendia contra a parede, enquanto a outra estava abrindo suas calças, eu continuava gritando quando senti seu pau roçar na minha bunda, ele falava varias obscenidades no meu ouvido, eu não conseguia ouvi-lo, pois continuava gritando por socorro, ele então me soltou um pouco, mas foi para usar as duas mãos e baixar meu short, tentei fugir, mas ele logo me pegou de novo e pôs-me contra parede, ele afastou minha calcinha ,que era uma das novas, ou seja só uma tirinha atrás, e pôs seu pau na minha boceta que por não estar lubrificada parecia estar sendo rasgada, eu gritava por socorro e ninguém atendia, foram uns dez minutos nisso, mas ele então tirou seu pau e forçou agora a entrada do meu cuzinho, eu chorava e berrava de dor e por socorro, o pau dele não era grande, mas devido as circunstâncias, entrou causando uma dor que nunca sentira, foram uns cinco minutos mais ate que ele gozou, me encheu de esperma, tanto esperma que quando ele tirou o pau, desceu muito de meu cuzinho, eu chorava enquanto ele subia as calças e falava coisas que eu não prestei a atenção, ele saiu e eu resolvi me recompor, lavei-me com água da torneira e me vesti, sai do banheiro tentando fingir ao menos que nada ocorrera, voltei pro ônibus que estava meio distante do bar e ele já estava de partida, entrei e Luciano e ninguém parecia ter dado conta do que ocorrerá, mas no bar todos ouviram meus gritos, pois eles saíram falando coisas como eu ser uma puta e que não podia reclamar de tomar rola. No ônibus eu fingi nada ter acontecido, dormi um pouco, mas já quase no fim da estrada o ônibus furou três pneus, tivemos de descer e ficarmos no acostamento, ficamos por lá duas horas, resolveram então que deveríamos pegar um outro ônibus que estava por passar por ali, quando ele chegou não caberíamos todos, decidiram que quem quisesse ir em pé no ônibus poderia, faltavam uma hora e meia de viagem, eram três e meia da manhã, a maioria das pessoas quiseram pegar o ônibus, decidiram que crianças, velhos e mulheres iriam primeiro, aconteceu que eu fui nesse ônibus e Luciano ficou para esperar o outro ser concertado, me despedi dele e fui uma das primeiras a entrar no ônibus, as pessoas foram entrando e eu acabei indo aos poucos para o fundo do ônibus, o ônibus era daqueles intermunicipais, que levavam gente de todo o tipo, tinha um banheirinho no fundo, do lado dele tinha umas poltronas, isso fazia um pequeno corredor, tinham duas pessoas em pé atrás de mim, eu fiquei bem na entrada desse corredor, na minha frente ficaram muitas pessoas o ônibus ficou lotado, não tinha espaço nem para me mexer um pouco, o ônibus estava fedendo a galinha, pois tinham uns caras que estavam levando algumas , eles estavam sentados no poltrona dos fundos, atrás de mim, tinham dois caras em pe também espremidos atrás de mim, o ônibus apertou ainda mais, ate que eu não me mexia mesmo, os caras atrás de mim ficaram até que um pouco de liberdade se comparado a quem não entrava mais naquele corredorzinho, o ônibus não tinha iluminação, o motor dele roncava como se fosse explodir, depois de andarmos uns quinze minutos naquele sufoco eu senti alguém passar a mão na minha bunda, fiquei como se nada ocorrera, senti a mão me alisando de mansinho, depois um dedo bem no meu reginho, senti duas mãos em minha bundinha, depois ousadamente um dos caras que estavam atrás de mim me encoxou, eu não tinha coragem para reagir, os dois caras se revezaram em me encoxar, um deles então tirou o seu pau e começou a esfregar na minha bunda, eles riam e debochavam de minha passividade, eu tinha medo de que alguém visse o que eles faziam em mim, claro que ao menos os dois caras com as galinhas no banco de trás viam tudo, embora estivesse muito escuro dava para eles desconfiarem do que aqueles dois faziam comigo, um deles depois de esfregar o pau em mim me abraçou, pôs o pau entre minhas pernas e começou a esfrega-lo entre elas como se me fudece, ele beijava minha nuca e seu pau estava me excitando, eu começava a ficar molhada e suar de prazer, quando ele trocou de lugar comigo, eu fui para o meio do corredorzinho, onde fiquei entregue ao seu amigo, enquanto ele ficou de costas para o restante do ônibus e engatado em mim, o que estava a minha frente passou e me beijar na boca, pescoço e seios, o que estava atrás beijava minha nuca e costas, o da frente cuidava da minha boceta e o de trás da minha bunda, eu estava toda chupada e apalpada, e mais ocorreu, pois fiquei do lado dos caras da poltrona dos fundos que levavam as galinhas, eles também passaram a apalpar-me, eram tantas mãos que eu não sabia quem era de quem, o certo é que eu era de todos, então senti mãos entrando no meu short, dedos entraram na minha boceta e outros no meu cuzinho, e outras tantas mãos a me apalparem, eu gozei fácil e gostoso, soltei uns gemidos, e eles enlouqueceram, em silencio, mas com violência eles baixaram meu short e tiraram minha camisa, um deles depois de tanto tentar meteu na minha boceta, meu ergueu do chão um palmo para isso, eu fiquei pendurada na sua rola e apoiada no cara de trás, esse por sua vez desajeitadamente e sem cuidado para que não me machuca-se meteu no meu cuzinho, doeu e gritei um “ai” baixinho, eles em silêncio, mas com força, me fuderam, levantaram uma de minhas pernas, apoiaram ela no braço da poltrona dos caras das galinhas, esses dois por sua vez ficaram passando as mãos onde conseguiam, eu gozei de novo, e os caras também, o da poltrona pediu para me sentarem no pau dele, sentei de frente para ele encaixando minha boceta, o que estava do meu lado levantou e meteu em mim por trás, eu agüentei suas varas calada e gozando, o de trás gozou logo e voltou se sentar no seu lugar, um dos dois do corredor tomou seu lugar e me fudeu ate gozarmos juntos, depois o que estava assistindo do corredor e tinha comido o meu cu primeiro em pé, me tirou de cima do cara das galinhas e me sentou com o cu no pau do cara, ele veio para minha frente e me fudeu a boceta, ele e os outros dois que restavam, chuparam-me os peitos, pescoço boca e rosto, o de baixo que estava no meu cu, chupava meu pescoço, ombros, nuca, e lambia meu rosto, gozei acompanhada do que estava na minha boceta, ele me inundou mais uma vez de esperma, o que estava no corredor me puxou com as pernas para fora da poltrona, voltando elas para o corredor e fiquei de lado no corpo do que estava no meu cu, deitei o corpo no que estava na poltrona da janela, esse ficou me beijando o tempo todo, dos seios ate a boca, logo ganhei a pica do que me pôs naquela posição, os dois do corredor revezaram e gozaram duas vezes em mim, o que estava em no meu cu então levantou pediu para seu colega sair de sua poltrona e ir e ficar em pe no corredor, ele me deitou e me fudeu forte ate gozar, depois todos revezaram ate me virarem de bruços e revezarem no meu cu, todos deitaram sobre meu corpo atolando seus paus no meu cuzinho, quando já estava amanhecendo e estávamos chegando, eles me liberaram, me vesti novamente, fui ao banheirinho e me limpei um pouco de tanto esperma e saliva, voltei para o corredor e pro meu lugar de origem, eles ficaram passando a mão na minha bunda o tempo todo ate que me pediram para que eu fizesse um boquete em cada um deles antes de chegarmos, aceitei, entrei no banheirinho e entrou um deles, foi quando pude olhar para cara de todos, pois já estava claro, tinha amanhecido, chupei seu pau ate ele gozar na minha boca, engoli tudo, depois veio o outro, os dois primeiros eram jovens, tinham uns 18/19 anos, estavam no ônibus que peguei com Luciano, estes eram bonitos, depois veio o velho, o que estava sentado na poltrona do corredor, este era muito feio, seu pau era nojento, ele ainda estava cheio de merda, pois foi ele que passou mais tempo no meu cu, já acostumada a comer merda de meu marido, comi a minha e o esperma dele, depois veio um menino de uns 14 anos, não acreditava que ele era o cara da poltrona da janela, mas isso comprovava o porque de ele ter usufruído tão pouco de mim, eu chupei seu pau e ele gozou muito na minha boca, cheguei a engasgar e não beber tudo, mas lambi tudo ate deixa-lo limpinho, mas isso fez ele gozar de novo e tive de limpa-lo mais uma vez.Ele saiu do banheiro, eu lavei meu rosto e sai logo depois, no corredor eu dei beijos nos dois em pé e depois o velho na poltrona, falando como se fosse algo de importante, me mandou beija-lo, eu atendi, dei meu beijo de despedida nele e depois no garotinho. Voltando para o meu lugar no ônibus, eu ainda levei muita passada de mão, já sendo manhã e com a proximidade do fim da viajem, as pessoas estavam todas acordadas, as que podiam, viram toda aquela putaria que estavam fazendo agora, os caras me apalpavam toda e todos me olhavam com cara de reprovação. Na rodoviária os dois caras das galinhas se foram, não antes de me deram alguns beijos e de umas passadas de mão na bunda, isso tudo na frente de todos na rodoviária.Os outros dois rapazes ficaram comigo, tentaram me convencer a dar-lhes meu telefone ou endereço durante as horas em que eu fiquei esperando Luciano chegar. Quando ele chegou e viu os dois caras ele já chegou falando alto e os pondo para correr. Depois ele me disse que gostou de me ver com eles, mas que não queria parecer corno na frente dos outros, mal sabia ele, que eu tinha dado muito para aqueles dois e ainda outros dois, naquelas ultimas horas. Fomos para o hotel. Lá nos tivemos um tratamento VIP, logo no primeiro dia ele já foi chamando o gerente e contando-lhe suas intenções, ele pediu para que o gerente o ajuda-se a conseguir tornar viável as suas fantasias, não tenho coragem de dizer como nossas, como ele assim fazia, pois nem de longe eram minhas também, quando ele me apresentou o gerente durante o jantar, o gerente já foi dizendo que eu era bem louca, que as minhas fantasias eram bem diferentes, fiquei constrangida, pois eu vi que ele achou que eu fosse alguma pervertida que gostava do que iria fazer. Nesta noite eu e Luciano fudemos gostoso, ele notou que eu estava com o cuzinho bem esfolado, para quem já fazia uns dias que não dava ele, fingi que não entendi e fiquei na minha. Na manhã seguinte, eu Luciano e o gerente tomamos café juntos, enquanto decidíamos como faríamos mais tarde e que fantasia eu realizaria primeiro, ficou decidido que me prostituir seria o primeiro, Luciano e o gerente passaram o dia escolhendo as pessoas que iriam filmar-me e fotografar-me, escolheram também o puteiro que iria me prostituir, já eu passei o dia na piscina e na praia em frente ao hotel, claro que com um dos bikinis novos, eles fizeram-me parecer uma vadia exibida. Logo mais no fim de tarde, chegaram no nosso quarto os caras que iram filmar tudo, conversamos com eles, meu marido e o gerente acertaram tudo e ficaram de documentar tudo. Para começar, Luciano me mandou vestir uma de minhas roupas e fazer um streap-teese para que eles filmassem e ele pudesse avaliar a qualidade do trabalho deles, eu me troquei e com muita vergonha fiz o que ele me pediu, os caras filmaram tudo, eles ate foram bem profissionais, mas eu não fui nem um pouco, não nasci para ser puta e nem atriz pornô, estava fria e com muita vergonha, não fiquei nem um pouco a vontade, o pior foi ter de me masturbar e gozar na frente de tantos desconhecidos. Me senti humilhada. Os caras foram embora e marcamos de nos encontrarmos no puteiro. Na hora marcada eu já estava arrumada como uma puta, mini-saia curtíssima, uma camisa transparente sem sutien, fomos ao puteiro que ficava na beira da estrada, perguntei para Luciana se realmente seria ali, ele disse que foi o único lugar que aceitou que eles filmassem o que faríamos, os caras da filmagem e o fotografo já estavam la, entramos e fomos falar com a dona do puteiro, era uma velha que já foi tirando uma sarro da minha cara, ela disse que hoje era dia de casa cheia, que eu iria fazer ela ganhar um dinheiro bom essa noite, que eu seria uma puta das boas, que gostava de mulheres assim, mas que no estabelecimento dela que manda é o cliente, se ele quiser uma coisa e pagar por ela, tem de receber, eu não gostei do jeioto dela, nem como ela se referia a mim e como falava de mim. Quando foi para a parte da frente do estabelecimento encontrar meu primeiro cliente, vi que era do pior tipo de lugar, cheia de marginal, caminhoneiro, bêbados, logo as outra putas eram horríveis e de baixo nível, os caras me filmavam e fotografavam onde fosse, logo chegou um cara para falar comigo, ele perguntou o que era aquilo tudo a minha volta, Luciano se antecipou e disse que era um filme e que eu estava ali para trepar com todos por cinco reais, foi uma loucura, pois ele falou alto para todos no lugar ouvirem, o cara que falava comigo me pegou pelo braço e me levou para o quarto, os caras da filmagem nos acompanharam, no quarto a cara me jogou na cama e arrancou minha roupa, ele me xingava e me tratava com violência, parecia que para ele eu era muito menos que puta, eu já sem roupa tive ele caindo de boca no meu corpo nu, ele me lambeu e chupou muito, depois pos a cabeça entre as minha pernas e me chupou e enfiou todos os dedos em mim, eu estava me sentindo muito constrangida, pois alem de estar naquela situação de me prostituir daquela forma, ainda estava sendo filmada e fotografada, o cara depois deitou de lado na cama e me mandou chupar seu pau, eu o chupei ate ele me mandar montar-lhe, e obedeci, pus uma camisinha nele e cavalguei muito sobre seu pau, depois ele me virou e me fudeu com violência a boceta, não sentia nenhum prazer com ele, depois de me fuder num papai-e–mamãe, ele me mandou deitar de lado, pois ele queria comer meu cuzinho, eu meio relutante deitei e deixei ele me enrabar, eu logo comecei a chorar, mas não era por dor e sim de vergonha por estar naquela situação humilhante, por estar sendo prostituída num ambiente sujo, num quarto fedendo, por um cara feio, bêbado, e que me enrabava sem pensar em não me machucar, o câmera preocupado, achando que eu estava chorando de dor, pediu para o cara ter mais calma, o cara mandou ele se fuder e passou a me fuder com muito mais violência, ele agora sim estava me machucando, eu gritava de dor e vergonha, o câmera foi falar com Luciano do lado de fora e voltou falando para os outros que eu gostava daquilo, que eu estava fazendo cena, foi com isso que eu passei a chorar mesmo, o cara logo gozou e de pois por eu continuar chorando, Luciano veio falar comigo, falamos a sos, ele disse que eu deveria engolir o choro e fazer tudo como combinado, disse que tinham muitos clientes que eu teria de atender, ele antes de sair me ordenou que não chora-se mais, eu parei de chorar, e mesmo sob um caminhão de vergonha trepei com mais uns vinte e poucos, caras, não preciso dizer o que ocorreu com cada um, pois todos fizeram o mesmo, me enrabaram, comeram minha boceta e chupei o pau de todos, alguns é que pediram para eu engolir suas porras, foi muita humilhação, e tudo foi documentado em fotos e vídeo, saímos de la umas oito da manhã. Fomos para casa dormi o dia todo ate que quando acordei já eram seis da tarde, Luciano disse que já estava tudo pronto para segunda etapa, eu deveria transar com um anão, ele me mandou tomar um banho e me arrumar, pois ele e o anão já iram para um outro quarto do hotel, onde já estavam todos prontos para filmar-me e fotografar-me, tomei meu banho pus minha lingeri, mas Luciano chegou com um dos câmeras e o fotografo para me acompanhar do nosso quarto ate o que estava o anão a me esperar, pedi que ele espera-se que eu termina-se de me arrumar, mas ele disse que eu já estava pronta que deveria ir como estava, não aceitei, discutimos, mas como sempre eu cedi e sai desfilando pelos corredores do hotel só de calcinha fio-dental transparente e sutien transparente. Cruzei com alguns hospedes e funcionários, Luciano e os outros dois me acompanhavam, filmando e fotografando. Chegando no quarto eu dei de cara com um quarto grande, especialmente montado para a filmagem, holofotes, ate maquiada eu fui antes de entrar em cena, o anão logo veio com Luciano, o cara já veio pelas minhas costa e me deu um tapa na bunda perguntando se era essa a vagabunda que ira fuder com ele, eu virei para vê-lo e era muito bizarro, nunca imaginei algo como fuder com aquilo, ele era um anão neguinho, com um bigode, era muito bizarro, ele estava só de cueca já, ele falava coisas que eu preferi nem escutar, ele falava muito palavrão, ele já foi pondo a mão no minha boceta e perguntando quando eu iria liberar minha merreca para ele, foi a coisa mais nojenta que eu já escutei, Luciano tirando da minha boca, palavras que eu não queira falar, disse agora mesmo, o anão correu para cama, os holofotes foram ligados, os câmeras ficaram a postos, eu fui levada por Luciano até a cama, la o anão sem cueca, já exibia seu pau, que tinha uns onze ou doze cm, eu deitei e ele já foi pulando em cima de mim, tirou meus seios para fora e os chupou e lambeu, depois ele veio me beijar, se não fosse pelo fato de Luciano estar presente e querendo que eu fizesse aquilo, eu não teria correspondido, logo após esse beijo nojento ele se enfiou entre minhas pernas afastando minha calcinha passou a chupar e lamber minha vagina, ele anda botava sua mão em mim, foi horrível, nojento, eu estava no meu limite da vergonha, eu não sentia nada alem de nojo de sua lingüinha e mãozinhas, depois de ele resolveu me penetrar com seu pedaço nojento e pequeno de carne, ele bombou como um maníaco, eu não sentia nada com aquilo, só um pequeno vai e vem que só me deu nojo, ele ainda por cima fala coisas horríveis, debochava de minha situação, depois de se fazer em minha boceta ele tirou seu pau e o trouxe ate meu rosto para ser chupado, eu só precisei ficar de lado e elevar um pouco o corpo para alcançar o pau dele, isso ainda que ele estava em pé, eu o chupei enquanto sua boca suja me xingava, ele gozou na minha boca me chamando de puta, piranha, vadia, vaca, vagabunda, etc... Eu bebi sue esperma com muito nojo, depois ele foi no banheiro contando uma vantagem por ter me fodido, eu estava para ter um colapso, eu tinha vergonha, tristeza, nojo, estava me sentindo um lixo por estar fazendo tudo isso e ainda na frente de desconhecidos, que filmavam e fotografavam tudo. O anão voltou sorrindo e dizendo “o primeiro anão a gente nunca esquece.”, eu fiquei com mais nojo ainda, ele depois disse, “ta na hora de liberar o oio de porco, sua puta”, dito e feito, me pondo de quatro ele comeu meu cuzinho e encheu ele com seu esperma, ainda disse outra frase nojenta antes de tirar do meu cu “êta passador de fejão gostoso a dessa puta”, por fim ele gozou no meu rosto a pedido de Luciano, pois ele queria essa cena documentada. Depois disso eu me vesti, pus um roupão e foi para nosso quarto, tomei um banho e chorei muito, Luciano ficou la e nem o vi chegar. No dia seguinte a recebemos a café no quarto, tomamos a café enquanto ele dizia como tinham sido maravilhosos esses dias, eu fiquei calada me retirei, pus meu biquíni, que eram mínimos, não havia um que fosse para uma mulher decente, tomei sol na praia na frente do hotel, levei contada de muitos caras, mas levei de uns estrangeiros africanos, descartei seu interprete e eles e voltei para o hotel, fiquei na piscina durante à tarde pensando e refletindo sobre tudo que estava acontecendo comigo, no fim da tarde Luciano veio e disse que hoje resolveu que me daria folga, era impressionante como ele me tratava como uma escrava agora, todo o carinho que nos tínhamos estava sumido. Ele disse que nesta noite não haveria filmagem nem nada, só nos dois numa festa, nos arrumamos, eu claro estava como uma verdadeira puta, pois era só esse tipo de roupa que eu tinha na mala, fomos a boite, la logo saquei que o lugar era bem barra pesada, era uma gente bem mal encarada, pessoas se agarrando e tirando a roupa em todo cantinho, mas havia um lugar onde a coisa rolava solta, era bem escuro, luz o bastante para se ver de perto e de longe só vulto, passamos por um pessoal que eu logo reconheci, eram os africanos da praia, eram três deles, passei e fingi não os ver, Luciano então perguntou para uma pessoal o que era aquele canto, o cara respondeu que era onde as prostitutas e as pessoas afim ficavam, foi então que Luciana me levou para la e me pediu para que eu fizesse um programa com alguém enquanto ele assistia, fiquei aborrecida, pois só agora entendi qual era a dele, fiquei puta com ele, mas já la dentro ele se separou de mim e me deixou la, não demorou chegaram umas pessoas, eram os negões africanos o interprete falava mal o português, mas entendi ele falando sobre a praia e sobre o quanto eu estava cobrando, eu nem bem abri a boca os três já estavam me agarrando, levantaram minha saia, tiraram meus seios para fora e logo de cara um dedo já estava dentro do meu cu, depois outro na boceta, de repente eu tinha mãos e bocas por todo meu corpo, eles então me ajoelharam e me circundaram com suas picas que eu não enxergava, pois eram muito pretas, mas era fácil de tatear, pois eram enormes, os fiz gozar todos e engoli tudo, logo eles me encostaram contra a parede e me fuderam a boceta todos, eles revezaram umas três vezes, ate me porem de costas e me enrabarem, seus paus me fizeram sangrar tanto a boceta como o cu, doeu muito, na boceta o pau deles eu sentia tocar o fundo do meu útero, já o meu cu ficou totalmente esfolado, depois de saciados eles saíram falando coisas que não entendi, logo Luciano apareceu dizendo eu tinha visto tudo e tinha adorado, fomos para casa e ele ainda fudeu o meu cuzinho e boceta arregaçados.No dia seguinte eu dormi ate tarde e fui a praia mas passei apenas algumas horas ate o fim da tarde, quando eu voltei para o hotel, Luciano disse que já tinha trazido o cara da noite, , com o biquíni que eu estava ele me levou ate o cara no mesmo quarto em que fiz com o anão, tudo já estava pronto para minha chegada, os câmeras o fotografa, holofotes e o aleijado, o cara tinha as pernas definhadas, ele já estava na cama me esperando, eu a mando expresso de Luciano subia e de joelhos fiquei a frente do cara, ele logo passou a mão segurando minha bunda e chupando meus seios, mais uma vez o nojo e a vergonha tomavam conta de mim, ele logo deitou na cama e me pediu para chupa-lo eu me deitei de bruços e passei a chupa-lo, seu pau era médio, eu o chupei ate ele gozar na minha boca, logo depois ele pegou um óleo é passou em meu corpo, depois ele me deitou de frente e subiu em mim, fudemos no papai-e-mamãe, depois me virou de bruços, deitou sobre mim e me comeu por trás, depois foi meu cuzinho, eu só tinha vontade de chorar, era demais aquela humilhação por que passava, ele gozou no meu cu, depois mais uma vez a pedido de Luciano ele gozou no meu rosto. Voltei para meu quarto, tomei um banho e chorei muito ate dormir. No dia seguinte acordei tarde de novo, fui a praia e fiquei ate escurecer, voltei e Luciano me aguardava entusiasmado, não lembrava o que me esperava neste dia, ele disse que havia comprado um carro e que voltaríamos no fim do dia seguinte de viajem, era uma boa noticia, mas minha humilhação ainda não tinha sido completa, fomos ao quarto , eu já estava só de calcinha e sutien passeando pelos corredores do hotel, no quarto, para minha surpresa eu lembrei que uma das fantasias era fuder com um cachorro, eu fiquei muito mais constrangida, era muita humilhação, para piorar eles levaram três, eram três pastores alemão, logo um cara deveria me ajudara transar com os bichos, o cara era veterinário e bem abusado, ele já foi me apalpando e me pegando, mas Luciano o cortou e disse que ele só deveria me ajudar a transar com os bichos, que eu só daria para os cachorros, o cara me pós de quatro, pegou a boceta de um dos cachorros passou algo nela e depois na minha boceta, os outros estavam na coleira latindo impacientes, o cara prendeu a cachorra no banheiro e me mandou subir no colchão e ficar de quatro sobre ele, a cama tinha sido retirada e só tinha um colchão no seu lugar, o cara soltou os cachorros e eles correram para o banheiro, mas o cara pegou um deles e trouxe junto a mim, ele encostou o fuço do cachorro na minha boceta e o bicho enlouqueceu, montou nas minhas costas e ficou fazendo movimentos atrás de mim, o cara pegou o pau do bicho que já estava um pouco duro e o apontou para minha boceta, o bicho entrou e parecendo uma metralhadora ele me fudeu, era muito rápido, eu sentia um nojo tremendo do que acontecia, mais sentia mais nojo por o bicho estar me fazendo gozar, foram uns quinze minutos, eu gozava desesperada, de repente uma bola enorme passou para dentro de mim, era o que eu soube depois ser o calo, o bicho me preencheu toda com aquilo, seu pau que era pequeno no começo cresceu muito la dentro, quando ele parou e desceu de mim, a bola saiu mas me causou dor nessa ora, eu nunca tinha gozado tantas vezes como naquela, me sentia enojada e satisfeita, o esperma do bicho descia aos litros, eu logo comecei a chorar de vergonha pelo que fiz e por ter gozado. O cara me mandou me ajeitar para chupar o pau do outro, eu engoli o choro a pedido de Luciano e com o cara segurando o bicho pelo pau, cai de boca naquilo, eu o chupei e vi crescer horrores, era enorme, quando já estava estourando, o cara me mandou ficar de quatro para ele me enrabar, fiquei com medo, pois era o maior pau que já tinha visto, juntando isso ao fato de o outro cachorro ter me fodido com tanta ferocidade, eu caiu de medo, o cara montou o bicho em mim, endereçou o pau dele ate a entrada de minha bunda e o bicho já estocando acertou o lugar que deveria entrar e logo me arrombou por inteiro, o bicho pôs tudo em duas estocadas, fora que o calo dele já estava grande e com muita força e poucas estocadas ele pós para dentro, eu vi estrelas nessa hora, o pau dele me rasgou inteira, era uma selvageria sem fim, a dor era insuportável, e quase desmaiei, com a autorização do meu marido o veterinário ganhou o direito de que eu o fizesse um boquete enquanto o cão me enrabava, o bicho nas minhas costas me fazia sentir-me uma cadela, o cara pôs o pau dele na minha boca, mas eu não conseguia chupa-lo, a dor não me deixava consciente, ele me dava tapinhas no rosto, mas eu logo voltava a ficar abobada de dor, o bicho me rasgou toda, o sangue descia pelas minhas pernas inundando o colchão, quando o bicho terminou gozando ficamos engatados, ficamos de quatro, um de costas para o outro, de bunda com bunda, o seu pau não saia de mim, pedi para que tirassem ele de mim, mas Luciano disse que era para deixar-nos assim, que os amantes tinham de se curtir mais um pouco, nisso o veterinário aproveitou e fudeu minha boca ate a encher com seu esperma, quando o calo do bicho passo,u Luciano me mandou ficar quieta naquela posição, fiquei imóvel e chorando, Luciano e o veterinário ficaram exibindo o estrago que o animal fizera em mim, as câmeras pegaram tudo. A noite terminou comigo sendo carregada por Luciano para o nosso quarto, eu não conseguia andar, ele me deu um banho e me deitou na cama, eu chorava muito de dor e vergonha, ele me deu um calmante e dormi, no dia seguinte acordei para o almoça, Luciano e o gerente, estavam conversando, aproximei-me e Luciano disse que tinha algo para me dizer, ele me disse que desde o começo ele tinha acertado com o gerente que o pagamento pelos serviços extras que ele prestou, seria transar esse ultimo dia comigo, fiquei puta com Luciano, brigamos, mas ele me convenceu, eu já não ligava mais para nada mesmo, só queria ir embora, fui para meu quarto com o gerente e fudemos a tarde toda, ele me comeu de todas as formas possíveis, me tratou como puta e me fudeu com selvageria, as nossas malas já estavam prontas, la pelas oito botamos elas no carro e pegamos estrada, eu fui dormindo e acordei quando paramos num motel de beira de estrada, com Luciano falando que não agüentava mais dirigir, fomos para o quarto, quando já estava deitada quase dormindo, Luciano me acorda e me pede outro absurdo, ele disse que tínhamos passado por um bar do lado do motel, que la haviam alguns caras, ele queria que eu botasse a minha roupa mais depravada e fosse la dar pra eles, que depois eu voltasse e contasse como tinha sido. Eu não aceitei de inicio, mas sabia que ele passaria a noite me enchendo com aquilo, então se já não ia dormir mesmo então ia fazer o que ele me pedirá, pus a roupa que ele escolheu, um conjuntinho de short e top vermelho, sem calcinha ou sutien, fui ate la, cheguei no balcão passando por sete caras, no balcão tinham mais quatro, nem bem cheguei no balcão os caras começaram a gritar e mandar que me estuprassem, os caras me agarram e rasgaram minhas pequenas peças de roupa, logo levei pau por todos os buracos, socos e ponta pés, enfiaram uma garrafa em mim, sai de la de baixo de ponta pés i xingamento, apanhei muito deles, foi tanto pau, socos e chutes que levei, que eu me arrastei ate nosso quarto de motel, o louco do Luciano nem se importou com meu estado e só queria que eu contasse os detalhes sórdidos do que ocorrerá, foi nessa hora que resolvi dar um basta em tudo, nosso casamento terminou ali, assim que voltamos de viagem terminei nosso casamento.

8 comentários:

  1. Puta de merda! Se a putaria chegou até a esse extremo é porque você estava gostando. O teu rabo foi comido como nunca vi/ouvi e duvido k um dia volte ao normal. Acabar com o casamento é o minimo que devias fazer.

    ResponderExcluir
  2. Você foi idiota de aceitar tudo isso , ele nao te amava so te tratava como objeto sexual , e você bem que gostou porque aceitava tudo calada , o mínimo que você fez foi se separar dele idiota

    ResponderExcluir
  3. Olha.como keria conhecer vc.Guerreira
    .alekmds@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. Por mais vagabunda e submissa que vc tivesse sido, nenhuma mulher no mundo aguentaria todas estas extremidades bizarras que vc aguentou em tão poucas horas(dias) E também com certeza ainda acabaria com AIDS...Seu conto num passa de uma ficção, melhor dizendo: "Uma mentira" . rsrsrsrsr

    ResponderExcluir
  5. q imaginaçao hemmmm. Pode fazer um filme.kkkkk qts mentiras...

    ResponderExcluir
  6. garota me impressionou, maas era tao grande que pulei diversas partes.

    ResponderExcluir
  7. Vadia gosto sim se nao tinha terminado faz tempo

    ResponderExcluir
  8. Seu conto nao passa de uma mentita nunca vi tanta nojera

    ResponderExcluir